Acústica em igrejas: Sagrada Família, em Barcelona

Muitos conhecem a cidade de Barcelona, na Espanha, por conta do seu famoso time de futebol. Porém, o que nem todos sabem é que esse charmoso município da região da Catalunha preserva um acervo cultural e arquitetônico fantástico. No vídeo a seguir, Pablo Serrano, fundador do Portal Acústica, apresenta um marco da cidade. A Sagrada Família é uma catedral católica projetada pelo arquiteto Antoni Gaudí. Ela começou a ser construída em 1882 e ainda não está totalmente pronta. Entretanto, está aberta a visitação do público que paga um bom valor para conhecer essa grandiosa obra de arte arquitetônica e religiosa. Na nave principal é possível observar as quatro pilastras principais com símbolos representando alguns dos apóstulos. Diversas outras pilastras são inclinadas e o templo exploratório da Sagrada Família, como também é conhecida, apresenta diversos vitrais e magníficas formas e abóbadas, além de um museu no subsolo.

Neste video gravado neste maravilhoso templo explicamos detalhes de projetos de acústica em igrejas, veja:

Ao projetar uma igreja, é necessária uma ótima sinergia entre o arquiteto e os padres, ou pastores. Com certeza esse foi o caso nesta grandiosa obra. A inteligência de Gaudí no estudo de como apoiar as estruturas e garantir as formas foi feito utilizando um método muito curioso. Ele pendurava diversos cordões, um ao lado do outro, com pesos nas pontas. Ele então entrelaçava os cordões e criava o formato dos arcos de ponta cabeça, se utilizando da gravidade para verificar se o formato era possível e estável.

Resultado de imagem para museu sagrada família

Uma das principais características acústicas desta igreja é a difusão. Como todos a abóbada é totalmente assimétrica e com diversas reentrâncias e picos, as ondas sonoras são refletidas e espalhadas no ambiente. Com isso, o nível de pressão sonora no ambiente é mais homogêneo, ou seja, não apresenta regiões com diferenças muito pronunciadas de intensidade do som. Isso é muito importante para a qualidade do que chamamos de cauda da reverberação. Sendo que o som decai ao longo do tempo de maneira harmoniosa e sem artefatos sonoros audíveis. Com isso o som se torna mais agradável no ambiente e dá mais sensação de conforto.

Ao projetar uma igreja, o pastor ou o padre, tem um único objetivo: levar a palavra para seus fiéis. Para tal, o ambiente deve auxiliar de forma a levar tal palavra em “alto e bom som”! O que acontece em diversas igrejas, é que o ambiente não é preparado para o som, e com isso a qualidade sonora é muito degradada. Vamos então dividir nestes dois elementos, conforme o ditado popular. O que é “alto”, e o que é “bom”?

Por “alto”, em parâmetros técnicos, podemos dizer que é uma onda sonora com nível de pressão sonora suficiente e que vença os demais ruídos presentes no ambiente. Ou seja, se o ar condicionado está ao lado da pessoa e a porta da igreja está aberta, pode ser que estas outras fontes de ruído confundam o ouvinte. Com isso, a relação entre o “sinal”, ou seja a palavra do orador, e o “ruído”, todos os demais sons, é prejudicada. Em inglês SNR “Signal to Noise Ratio”, representa essa relação sinal/ruído. Para melhorar a SNR há duas alternativas, ou aumentar o volume da fonte sonora, o orador, ou ainda diminuir o ruído. A preferência deve recair sempre para a redução do ruído, pois muitas vezes optamos por colocar caixas de som e acabamos elevando muito os níveis, causando fadiga e irritação de algumas pessoas que não gostam do som muito alto. Para baixar o ruído, devemos então realizar o controle dele através de isolamento acústico ou ainda criando zonas com bastante absorção sonora que diminuem a energia sonora. Um bom projeto de isolamento acústico de uma igreja, assim como de qualquer outro ambiente, deve levar em consideração as demais disciplinas (hidráulica, elétrica, ar condicionado, arquitetura, estruturas, equipamentos). Para tal, o projetista analisa a influência de cada uma das fontes de ruído e prevê o impacto de tais fontes no ruído do ambiente. A norma brasileira que estabelece o nível aceitável de ruído em um ambiente é a NBR 10.152. E para igrejas e templos, o nível aceitável de ruído é de 50 dBA, mas para o conforto deve-se ter no máximo 40 dBA. É difícil conseguir tais valores, ainda mais próximo a uma rodovia e com as janelas abertas. Portanto, o indicado é procurar um especialista e resolver o problema. Assim, garantindo o isolamento da igreja, se garante também que os vizinhos não serão incomodados pelas atividades do culto.

Resultado de imagem para museu sagrada família

Por “bom”, podemos dizer que cada pessoa tem uma preferência. Em acústica, as avaliações subjetivas são estudadas com critério e se utilizam parâmetros objetivos e modelos estatísticos para avaliar o quão bom um som é para uma pessoa. No caso de uma igreja, a coisa é mais simples, pois em geral pode-se utilizar somente alguns parâmetros bem objetivos que são ou previstos durante o projeto ou medidos na igreja. Podemos citar alguns dos parâmetros de inteligibilidade da voz, como o ALcons, que é o índice de articulação da voz e perda de consoantes, o STI, que é o Speech Transmission Index. Ambos dão valores que podem ser traduzidos em atributos qualitativos como Ruim, Razoável, Bom e Excelente. Para saber mais sobre esses parâmetros, o recomendável é se especializar fazendo cursos sobre acústica. Mas se seu objetivo for realmente garantir a qualidade em uma igreja, agora você já sabe qual profissional procurar e qual parâmetro você pode exigir uma avaliação.

Gostaria de saber mais sobre as fases do projeto acústico? Então recomendamos a leitura desse artigo.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resolva a equação para comentar *