ruídos ferroviários

Como medir ruídos ferroviários

Trens e metrôs são utilizados todos os dias para o transporte de passageiros no mundo todo. A expansão das malhas também provoca o aumento da construção de edifícios às margens desses espaços pois facilita a locomoção dos habitantes dessas localidades e, por consequência, dos ruídos ferroviários no ambiente.

Nesse tipo de situação, é fundamental que se faça um mapeamento da paisagem sonora do local. Com isso, sabe-se qual o nível de pressão sonora nas janelas de um apartamento, por exemplo.

No vídeo apresentado a seguir, Pablo Serrano faz uma avaliação de SELs, um tipo de medição de ruídos originados com a passagem dos trens, em um município próximo a Londres. Ele explica que a paisagem sonora muda de acordo com os tipos, quantidade de vagões e velocidade dos trens. Veja mais:

Ao criar um modelo computacional, contendo a paisagem sonora de um local, e identificados os níveis de ruídos ferroviários, podemos definir quais materiais utilizar na construção de um empreendimento imobiliário. A disposição das aberturas, localização de quartos e outros insights podem ocorrer ao ter um mapa de ruído que considere todas as fontes sonoras da região. Além disso, o ruído ferroviário é difícil de se calcular em somente um número em dB, por conta destas questões de fluxo, tamanho, velocidade e quantidade de vagões. Uma avaliação correta é fundamental para o sucesso e a qualidade da entrega final para os arquitetos e urbanistas. Os grandes escritórios de arquitetura de Londres sabem disso e não dispensam uma boa avaliação da paisagem sonora antes do empreendimento sair do papel.

Acompanhe o Portal Acústica e saiba tudo sobre o universo da engenharia e da arquitetura acústica. Deixe seus comentários abaixo!

Se você quer conhecer mais sobre o Portal Acústica e se comunicar com a nossa comunidade de profissionais e aspirantes, veja os webinares e interaja conosco. É só clicar aqui e se inscrever gratuitamente.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resolva a equação para comentar *